A mascarada política

O Carnaval na obra de Rafael Bordalo Pinheiro (1870-1905)

Assegurando um comentário gráfico regular da vida portuguesa durante mais de 30 anos, como é que Rafael Bordalo Pinheiro (1846-1905) retratou o Carnaval, data importante nos divertimentos públicos de Lisboa? Esta exposição procura responder à pergunta mergulhando na obra gráfica do caricaturista, olhando para o Carnaval, não apenas como um momento de inversão do estabelecido, mas como um fenómeno histórico que contempla inúmeros significados sociais, políticos, económicos e religiosos.

Bordalo Pinheiro abordou o Carnaval, tema que lhe era caro, de várias formas: como cena do quotidiano, objeto de reportagem gráfica nos jornais que publicou, para fazer sátira política, desenhar alegorias e decorações para os carros alegóricos dos clubes carnavalescos ou para os teatros da capital nos “bailes de terça-feira gorda” e, significativamente, abordou o Carnaval para se envolver na polémica causada pela imposição do Carnaval “Civilizado”, com ritos e propósitos distintos do Carnaval popular.

Bordalo Pinheiro foi crítico da tentativa de aburguesamento do Entrudo, e mostrou-o em 1903 com alusão política num dos melhores desenhos carnavalescos saídos do seu lápis. O genial caricaturista era, então, um nome celebrado, entre a pompa de toque dandy e o delírio carnavalesco.

Curadoria: Álvaro Costa de Matos
Organização: Câmara Municipal de Torres Vedras
Parceiro principal: EGEAC / Museu Bordalo Pinheiro
Parceiros institucionais: Câmara Municipal de Lisboa | Arquivo Municipal de Lisboa | Hemeroteca Municipal de Lisboa | Gabinete de Estudos Olisiponenses | Câmara Municipal do Porto | Bibliotecas Municipais do Porto

Preço: 3€

Última atualização: 22.09.2022 - 13:03 horas